Águas Profundas - Vizinho Perfeito

4º Parte
Observei a Julie e a Marie a saltar para a piscina e sorri, há dias que não me divertia assim tanto, no entanto não conseguia parar de olhar para a casa de William. Não sabia o que fazer, não sabia o que fazer com o bilhete que tinha guardado na gaveta da minha cómoda. Não sabia se devia de mostrar a Liam ou mostrar ao meu pai, quer dizer o que raio significa? Passei a mão pelo inchaço que tinha no maxilar e gemi com um pouco da dor que tinha.
Podia significar um milhão de coisas, mas mesmo assim era estranho, eles apenas se mudaram a uns meses, os nossos pais nos conheciam? O que raio havia nos passados deles, que a mãe de William queria me longe dele? Observei a casa de William a espera que ele aparecesse de repente e desse aquele meio sorriso para perceber se devia ou não lhe dizer algo. 
Olhei para as minhas melhores amigas elas estavam a olhar para mim, com os cotovelos na borda da piscina enquanto sorriam. Saltei sabendo que tinha perdido algo. 
- O quê? - Perguntei confusa. 
- Nós te perguntamos se sabias ou não porque é que o William não nós largou o dia todo? - Perguntou Julie sorrindo. 
Corei, William preocupado comigo e com as ameaças de Ash prometeu-me que iria protege-las. 
- Não, não sei - respondi dando meio sorriso. - Mas o que se passou?
- Ele não nós largou - disse Marie. - Saímos da primeira aula e ele estava lá a nossa espera com um abraço de urso.
- E ele nunca nós falou assim tanto como hoje - disse Marie e depois corou ao lembrar-se de algo. - Até os amigos dele.
Julie deu um sorriso e corou também.
Sentei-me olhando para elas, eu conhecia aquele olhar.
- O que é que está a se passar? - Perguntei olhando para as duas.
- Bem, os melhores amigos do William chamam-se Robert e Chad. E eu tenho uma queda pelo Chad - disse Julie sorrindo. - E a Marie gosta do Robert. E como o William estava sempre connosco e ele apresentou-nos.
- Isso é bom. - Disse sorrindo.
- Olá - disse três vozes atrás de mim.
Julie e Marie mergulharam ambas vermelhas com vergonha, eu olhei para trás e vi que era o William e dois rapazes, um era loiro com olhos azuis e com um sorriso enorme baixo e magro, o outro tinha cabelo preto bem penteado com olhos quase negros, ele era alto e musculado.
- Ei - cumprimentei sorrindo.
- Podemos fazer companhia? - Perguntou William.
- Claro. Podem ir para a piscina se quiserem - disse sorrindo vendo que ambos os rapazes estavam com calções.
Atrás de mim ouvi alguém a praguejar e eu sabia que era a Julie. Os dois rapazes sorriram e foram até a minha beira.
- Eu sou Chad - disse o loiro sorrindo. - Este é o Robert. Nós não estamos a incomodar pois não?
- Claro que não, estão a vontade - disse sorrindo.
Eles tiraram as camisolas e colocaram na espreguiçadeira ao lado e saltaram para a piscina molhando-me. Julie e Marie olharam para mim chateadas mas ao mesmo tempo sorriam. Eu ri-me ao ver que os rapazes estavam a cercar as raparigas. William sentou-se ao meu lado, eu olhei para ele e vi que ele estava a olhar para mim preocupado.
- O que se passa? - Perguntou-me olhando para mim.
- O queres dizer com isso? - Perguntei dando meio sorriso. - O que é que estás aqui a fazes com estes dois?
- Nós reparamos que vocês estavam aqui, e o Chad gosta da Julie e o Robert gosta da Marie. - Disse William encolhendo os ombros olhando para a piscina.
Eu olhei para a piscina e vi o Chad a falar com Marie enquanto Robert e Julie estavam numa discussão acesa, eu olhei de novo para Marie que estava a olhar para Chad parecendo triste.
- Isso é mau, porque eles estão a tentar fazer ciumes uns aos outros. - Disse rindo mas reparei que Marie esta a sorrir para Chad esquecendo-se por completo de Robert assim como Julie estava a ter uma discussão mesmo estranha com Robert. - E eu acho que estão trocados.
- Eu também acho. - Disse rindo olhando para mim. - O que se passa? Desde ontem que andas estranha, que andas a esconder?
- O que queres dizer com esconder? - Perguntei olhando para ele engolindo em seco.
Devia de contar, não devia? Eu devia, mas e se for apenas uma mentira? E se for algo perigoso? Algo estava a bater na minha cabeça algo estava a tentar sobressair-se, estava na ponta da minha língua. Mas eu não fazia ideia do que era.
- Eu conheço-te Eve - disse sorrindo. - Há algo a te incomodar imenso eu posso ver aqui, nesta ruga na testa.
Ele apontou para a minha testa, e eu suspirei tentando relaxar mas não conseguia.
- Eu não tenho certeza, mas acho que os nossos pais se detestam. - Disse sorrindo levemente, e pontapeie-me mentalmente, mais valia estar a acenar com o bilhete para todos lerem.
- Também reparaste nisso? - Perguntou parando de sorrir. - Eles conhecem-se?
- Eu não sei, vocês mudaram-se uns meses e até ontem eles nunca se falaram - disse encolhendo os ombros.
- Vocês sempre viveram aqui? - Perguntou-me.
- Não, nós vivíamos... - comecei por dizer mas então calei-me. - Eu não sei, não me lembro onde... Nós mudamos quando a minha mãe morreu, demasiadas memorias...
- Lembras-te dela? - Perguntou-me preocupado.
Acenei negativamente e ele pegou na minha mão apertando levemente.
- Lembras-te do teu pai? - Perguntei sorrindo levemente.
- Sim, lembro-me dele... lembro-me dele a me levar aos meus treinos de futebol, de lançar bolas no quintal, das manhas de pequeno almoço a fazer panquecas com a minha mãe...
Os olhos dele ficaram baços presos no passado e respirou fundo, eu apertei as mãos deles quando começaram a tremer. Ele engoliu em seco e olhou para mim voltando ao presente.
- Ele era o meu melhor amigo - disse com a voz num fio. - Mas um dia, quando acordei, desci as escadas não havia o cheiro de panquecas, eu senti que algo estava errado, a minha mãe estava na sala sentada no sofá com as mãos no rosto. E eu perguntei: onde está o pai? Porque não estão a fazer panquecas? Ela olhou para mim e disse: o pai não voltou, ele morreu. Foi a primeira vez que eu vi a minha mãe a chorar e a ultima. Ela mudou a partir desse dia, tornou-se forte, fez tudo para que eu não sentisse falta dele.
Eu passei a mão pelo ombro dele apertando, ele pegou na minha mão e apertou contra a sua boca.
- Lamento - murmurei dando meio sorriso.
- Mas que raio pensas que és?
Eu e  William olhamos ao mesmo tempo para a piscina. Julie estava a sair da piscina parecendo irritada, e Robert estava atrás dela, enquanto Marie e Chad estavam a sentados no outro lado da piscina numa espreguiçadeira estavam a observar a discussão.
- Tu não tens o direito de chegar aqui e me perguntar isso! - Exclamou Julie irritada pegando numa toalha.
- Julie, eu não queria...
- Não querias o quê? Não querias dizer o quê? - Perguntou irritada. - Sim, tu querias, tu querias dizer exactamente isso.
- A culpa é tua - disse Robert gritando com ela. - Tu é que começaste.
Ela calou-se parecendo furiosa, eu estava a espera que ela gritasse como sempre fazia quando perdia a cabeça mas a única coisa que fez foi bater com o pé e entrar na minha casa. Eu olhei para todos.
- Acho que é melhor vocês irem embora - disse levantando-me.


A Noite
- Então o que se passou com a Julie e o Robert? - Perguntou-me William pelo telemóvel enquanto eu aquecia uma lasanha no microondas. 
- Julie disse-me que ele pelos vistos meteu-se na vida privada dela, e eu não sei se lembras-te daquele namorado que ela teve a um mês? 
- Sim, era o nosso colega no futebol, eles... oh, eu já sei o que Robert perguntou - disse soando frustrado.
- O que queres dizer com saber? Mas que raio, ela nem me disso o que ele perguntou - disse irritada. 
- Bem, nós durante um treino, ele estava a falar com os melhores e comentou uma coisa que se passou com ele e com a Julie. 
Eu vi a lasanha a rodar dentro do microondas e fiquei curiosa com o que ele estava a me esconder. 
- O que queres dizer com comentar? 
- Que ele comentou que a Julie fez com ele nos balneários - respondeu parecendo furioso. 
Plinc!
O microondas apitou e eu tirei a lasanha.
- Então foi por isso que a Julie acabou com ele, ouviu os rumores e acabou com ele. E acredita são rumores, aquela rapariga não gosta de intimidades e além disso nunca gostou realmente dele. - Disse tirando uma coca-cola do frigorífico.
- Todos sabemos que não é verdade, ele tem muita garganta, mas os melhores amigos espalharam o rumor na escola. 
- Então o Robert perguntou se era verdade ou não, por isso é que ela se passou. -Disse subindo as escadas equilibrando com alguma dificuldade a lata e o prato. 
Entrei no quarto e vi que ele estava sentado na cama a ler com o telemóvel encostado ao ouvido, ele acenou-me quando entrei e eu sorri antes de virar para as escadas e subir para o meu refugio. 
- Mas que raio? Não vais comer no quarto? - Perguntou parecendo chateado. 
- Eu tenho a minha tv lá em cima - disse rindo um pouco.
- Oh okay, falamos depois, então... 
Eu parei e olhei para trás e sorri descendo. 
- Okay, eu fico em baixo. - Disse. 
Sentei-me no sofá colocando a lasanha na mesa pequena e a lata. 
- Ainda bem - disse levantando-se da cama sentando-se no chão para estar a olhar para mim directamente. - Eu preciso de falar contigo sobre uma coisa, eu falei com a minha mãe sobre o teu pai. 
Eu parei o garfo a meio de ir para a minha boca e olhei para ele preocupada vendo que ele estava demasiado serio.
- O que é que ela disse? 
- Ela mentiu, ela disse que nunca o conheceu, nunca teve razões para o odiar, apenas foi algo do momento, mas ela desviou o olhar, ela faz sempre isso quando mente. - Disse encolhendo os ombros. - Mas talvez até seja verdade, afinal o teu pai não deve se ser a pessoa mais simpática, a te prender em casa e assim. 
- Desculpa? O meu pai não me prende em casa! - Exclamei posando os talheres olhando para ele. 
- Oh vá lá Eve, estás a me dizer que gostas de estar sempre em casa? Sempre nessas quatro paredes, com apenas duas amigas? - Perguntou olhando-me aborrecido. 
- Eu gosto, tenho as notas mais altas do que nunca, eu não me distraiu com rapazes e muito menos com raparigas estúpidas que pensam que eu estou a roubar o namorado!
- Eu não namoro com ela! - Exclamou parecendo irritado. 
- E já agora que estás a falar do meu pai,  a tua mãe não deve de ser nada simpática, para ter o namorado que tem! - Exclamei irritada. - Talvez seja melhor eu ouvir a tua mãe e afastar-me de ti. 
Desliguei e peguei no comando pressionando o botão para as cortinas se fecharem, eu olhei para ele vendo que ele estava confuso e chateado. Assim que as cortinas se fecharam o meu telemóvel começou a tocar, era ele a me ligar mas eu desliguei o telemóvel. As vezes era impossível falar com ele e ele não tinha qualquer direito de falar assim do meu pai!
Eu olhei para a gaveta onde estava o bilhete, havia algo errado nestas duas famílias, eu sabia... eu sentia não sabia porque, não sabia o contexto nem porque estava a dar uma dor de cabeça horrível, mas havia algo... como se fosse uma memoria... Mas eu não conseguia por o meu dedo nela. 


Continua...
1º parte - O Rapaz Da Casa Ao Lado - Ver Aqui
2º Parte - Nem Tudo É Perfeito - Ver Aqui
5º Parte - Amor A Primeira Vista, a seguir de Marcas do Passado de One Day
Love Peace and Write
Kisses Lovewriters




Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.