Sem Palavras 4#, O Lugar Onde Pertenço

julho 16, 2014

Liam

Não devia de estar a pensar nela, no entanto não conseguia parar. Uma coisa é tu veres aquela pessoa em todo o lado outra é fugires para não a veres e seres assombrado com a sósia. Sabem aquela pessoa que se parece exactamente igual a outra? Ella tinha a sua voz e os seus olhos, levou-me em flashbacks para tempos mórbidos, pensei enquanto mudava de faixa.

Já estava a conduzir a uma hora para sair de Clevland quando me deu um mau pressentimento e voltei para trás. Ela dera-me a volta a cabeça e agora estava a me fazer voltar para trás para ter certeza que estava tudo bem. Fora algo que ela fizera, pensei enquanto sorria e ponha a dar na radio arctic monkeys. Ela surpreendera-me com as suas atitudes de rebelde que destruíram a imagem que eu tinha da pessoa que me assombrara a maneira como me falara sem se importar que estivesse de boca cheia, a maneira como reagiu a Katty e quando arrotou no meio do bar no maior dos silêncios raros fez com que a imagem perfeita que eu idolatrava fosse apenas uma pequena gota no meio do nada. Ella não era uma pequena gota, pensei lembrando-me como falava com Mel, ela era uma tempestade de vida que provocava. mar de emoções, no entanto odiava-a tanto por me fazer lembrar coisas que queria esquecer e por ser tão teimosa. Talvez nem devia de volta, pensei vendo uma saída que ia me dar ao sitio onde queria ir, mas o telemóvel tocou, atendi num segundo.

- Olá.

- Liam? És tu?

Aquela voz... era Ella, não podia ser...

-Liam é Ella - disse num tom de voz stressado e em pânico

Automaticamente comecei a acelerar ao reparar que estava perto do motel.

- O que se passa?

- O que é que se faz quando um carro é roubado? -Perguntou com a voz um pouco quebrada.

- Que modelo é? - Perguntei.

-Mas porque raio isso importa Liam!? - Perguntou irritada enquanto a sua voz subia.

-Apenas diz! -Exclamei.

Ela disse-me a marca e não pode deixar de ficar admirado, era bastante antigo e valioso se estivesse em condições o que significa que já deve de ter sido vendido em peças ou ate mesmo inteiro.

- Bem, se foi roubado não há como voltar a tê-lo Ella. É um bom carro e muito caro já deve de ter sido vendido ou repartido em peças. Mesmo que faças uma queixa na policia será impossível voltar a encontrar - disse dando a volta a uma rotunda. - Onde estás?

- Estou a frente do motel, vou ter que ir para a central de autocarros e voltar para casa, pufff. Adeus.

Respirei fundo e entrei no parque de estacionamento e vendo ela parada no passeio a beira dumas malas parei a frente dela e baixei a janela. Ela olhou espantada para mim me fazendo rir.

- Que é que estás a fazer aqui?! - Perguntou-me.

- Queres boleia? Afinal estamos a ir para os mesmos lugares.

Ela ficou a olhar para mim.

- O quê? - Perguntou admirada.

- Nem penses que vais desistir da viagem! A quanto tempo evitaste fazer isto? Provavelmente durante anos?? E agora não vais voltar atrás só porque ficaste sem carro... vens comigo, vamos fazer uma viagem por toda a América, Ella e vai ser melhor porque vais ter a minha incrível companhia.

-Tu podes ser um psicopata ansioso por me raptar e estripar. Eu ri-me com essa ideia e ela apenas deu um passo atrás.

- Ella prometo-te não sou um psicopata. Eu serei um cavalheiro, não te farei nada... a não ser que queiras...

Ela revirou os olhos e ficou a olhar mordendo o lábio. Ela tinha o cabelo ruivo acastanhado longo e meio molhado, tinha uma camisola de alças azul-escuro que fazia um enorme contraste com os olhos verdes e tinha umas leggins pretas que parecia uma segunda pele nela com umas all-stars pretas.

- Eu devia falar com a policia. - Disse ainda a morder o lábio.

Continuei a olhar para ela a espera, ela continuou parada até que fiquei impulsivo, sai do carro e peguei nas malas e coloquei as na bagagem do carro enquanto ela observava o que estava a fazer.

- Entras ou não? - Perguntei fechando a bagagem.

Ela bufou agarrando a mala entrando no carro. Fiquei admirada com a facilidade e entrei no carro e olhei  vi-a colocar o cinto.

- Então onde vamos? - Perguntou parecendo nervosa.

- Não sei, ai é que está a beleza de estarmos sem destino - disse sorrindo para ela enquanto ligava o carro.

- Eu só quero dar um aviso!

Eu olhei para ela de canto enquanto saia do parque de estacionamento.

- O que foi?

- Não tentes nada comigo, eu tenho spray de pimenta.

Eu ri-me mas não prometi nada por uma simples razão não fazia ideia de como tinha chegado a está situação. Se me dissessem que eu ia convidar uma rapariga para a minha viagem através de América iria dizer que são malucos principalmente quando é uma rapariga que odiava. Por isso sabia que ia haver imensas discussões.

Devido ao silencio que estava liguei o radio onde estava a dar os arctic monkeys. Olhei para ela e vi que estava a olhar para a janela rígida e sem mesmo pedir permissão mudou para o radio onde estava a dar Burn de Ellen Goulding. Rangendo os dentes mudei de novo para onde estava. Ella esperou uns segundos antes de mudar.

- Okay, o que raio estás a fazer? - Perguntei irritado.

- Não gosto da música - disse sem olhar para mim.

- Temos pena - disse e mudei para os arctic monkeys.

Ella voltou a ficar rígida mas não disse nada pegou na mala de couro e tirou um notebook onde começou a escrever. Olhei para o rosto dela e vi que estava com lágrimas nos olhos, respirei fundo e mudei para Burn. Ela murmurou obrigado e sem dar-me um aviso tirou as sapatilhas e sentou se de pernas cruzadas virada para mim. Sem saber porque sorri por ela estar a vontade pensei enquanto tentava-me decidir para onde ir. Mas lá no fundo não queria saber para onde estava ir queria apenas queria permanecer dentro daquele carro com ela.

Olhei para ela e vi que estava encostada a janela a escrever dando-me um olhar curioso.

- O que foi?

- Há quanto tempo estás a viajar? - Perguntou-me sorrindo levemente.

Eu olhei para ela sem saber o que lhe dizer se eu dissesse a verdade, ela acharia que eu era louco. Olhei para ela e vi que ela estava curiosa.

- Dois anos.

Ela ficou a olhar para mim muito seriamente para ver se eu estava a gozar.

- Seguidos?

- Não, parei nos meses de inverno e primavera só faço viagem no verão.

- Então é a segunda vez que estás a fazer está viagem?

- Não, o primeiro ano foi em Europa.

Ela sorriu e chegou-se mais para a beira.

- Como correu?

- Correu muito bem, estive em Inglaterra, França, Alemanha, Itália, Roma e por ai a fora.

Ela sorriu e sentou se direita agarrando os joelhos olhando para o para-brisas. Ela suspirou e olhou para o caderno. Eu olhei para as placas e tentei decidir mas continuei sempre em frente sem me preocupar.

- Há quanto tempo estás nestas viagem? - Perguntei olhando-a de canto.

- A um dia.

Olhei para ela e vi que ela estava ainda a observar o caderno pensativa. E sem querer comecei a rir-me as gargalhadas, ela olhou para mim confusa.

- És algum tipo de íman de azar? - Perguntei ainda a rir.

Ela sorriu e voltou a escrever enquanto dava How Long Will I Love You. Assim que a música começou caímos em silencio e eu dei por mim a pensar no passado.



Três Anos Atrás...




Não era a primeira vez que estava a observa-la enquanto comia no meu restaurante preferido. Ela tinha cabelo castanho até a cintura e estava penteado para trás com uma camisa branca e uma calças pretas ela tentou encontrar uma mesa mas vendo que era a única pessoa sentada sozinha pediu com aquela voz sexy e rouca permissão para se sentar comigo. Claro que eu aceitei sem pensar duas vezes. A principio o silencio foi mutuo, apenas uns olhares envergonhados e sem saber o que dizer um ao outro quando começamos a falar foi quase espontâneo, o seu nome era Lena e trabalhava como estagiaria numa editora e tinha 21 anos.

- Então em que trabalhas? - Perguntou-me dando um sorriso com os olhos verdes brilhantes.

- Sou advogado numa firma.

Ela estava a comer esparguete mastigou e limpou a boca antes de falar.

- Como é possível? Quantos anos tens?

- 22 anos. - Disse sorrindo enquanto comia.

- Como conseguiste?

-O meu pai é dono da firme.

- Ahhh, os privilégios.

- Ahhh, sem escolha - disse rindo como respostas.

- Tinhas outros planos? - Perguntou-me sorrindo enquanto pegava no copo.

- Alguns, quais são os teus sonhos?

- Percorrer o mundo, conhecer lugares incríveis - disse ficando com os olhos vagos e sonhadores. - Conhecer novas pessoas, novas culturas, apaixonar-me...

Ela olhou para mim e corou, eu não consegui evitar sorrir também.

- Parece ser espetacular...



Presente...



-Liam?

Olhei confuso para ela e me apercebi o quão diferente elas eram uma da outra. Ela estava a olhar para mim curiosa e com sorriso matreiro.

- Desculpa, perguntaste-me alguma coisa?

- Sim, perguntei a tua idade.

- 24. Que idade tens?

- 20. Porque é que andas a fugir?

Eu olhei para ela, admirado. Como é que ela sabia que eu andava a fugir? Ela estava a olhar para mim com os olhos verdes enormes repletos de curiosidade. Lena tinha apenas uma curiosidade educada enquanto Ella estava com uma curiosidade avida.

- Do que é que andas a fugir Ella? - Perguntei olhando para ela.

- Touché.

Ella sorriu e pegou na polaroid pondo em cima do banco para procurar algo na mala. Peguei na máquina e quando ela olhou para mim eu tirei-lhe uma foto. Ela pegou na máquina resmungando e tirou uma a mim e antes que eu pudesse resmungar deitou a língua de fora guardando as fotos no notebook. Sorri e voltei a concentrar-me na estrada e passado uns 20 minutos reparei que ela estava a dormir profundamente quando se encostou ao meu ombro. Engoli em seco e apercebi-me que já se tinham passado 3 horas por isso desviei o carro em direcção a uma estação de serviço para comer alguma coisa. Entrei num instante onde tava, tinha um posto de abastecimento, um restaurante e um pequeno motel. Estacionei e olhei para Ella que se virou e encostando-se a janela. Reparei no notebook pegando nele e vi que tinha uma lista:

Wishlist Roadtrip

1- Conhecer um desconhecido - Feito (a Mel)

2 - Cortar o piropo de um rapaz - Feito (o Jules, até contava com Liam mas julguei mal)

3- Dormir sob as estrelas

4 - Apanhar a bebedeira com um desconhecido

5 - Ir ao festival do milho no Texas

6 - Visitar um monumento

7 - Ir a praia e trazer areia de lá num frasco

8 - Nadar nua num rio 

9 - Não me apaixonar

10- Acampar numa floresta

11- Se caso tiver a infelicidade de ver um cachorro abandonado traze-lo comigo e ficar com ele ( Liam não podia saber)

12 - Aprender como se faz o pino (nunca consegui não vai ser agora que vou conseguir)

13 - Não dormir com alguém 

14 - Arranjar maneira de saber o que se passa com Liam

15 – Apanhar uma vergonha num lugar publico com o tema sexo

... 



E era apenas isso que tinha, reparei admirado. Olhei para Ella que estava a dormir, ela tinha sonhos fáceis e incrivelmente simples que não exigiam... eu podia ajuda-la com todos os pontos pensei olhando para as nossas fotos que nós tiramos. Ella estava a olhar para a camara com meio sorriso e com os olhos verdes brilhantes, eu estava a olhar para a câmara directamente tentando com muitas falhas parecer serio.

Fechei o notebook afastando os pensamentos e desliguei o carro o que fez com que Ella acordasse e olhasse para mim com os olhos meio fechados.

- O que se passa?

- Achei que era melhor, esticar as pernas - disse sorrindo.

Ela acenou pegando no notebook arrumando na mala antes de sair do carro.

Eu sai do carro atrás dela mas foi até a mala abrindo-a tirando a camisola para trocar por uma que não tivesse suada. Comecei a procurar mas reparei que alguém me observava. Olhei para Ella que estava parada ao lado a olhar-me de boca aberta.

- Ella... vês alguma coisa que gostes?

Ela bufou e começou a ir para as casas de banho. Eu sorri e olhei para o céu vendo que estava um azul sem nuvens. Vesti a camisola indo para as portas esperando por ela. Quando ela saiu ignorou-me e começou a ir para o restaurante, eu foi atrás dela.

- Então gostaste do que viste ou não?

Ela bufou e revirou os olhos e então olhou para mim.

- Não achas que és um pouco convencido?

Ela começou a apanhar o cabelo ruivo num coque me fazendo olhar para o pescoço dela.

-Não. Eu acho que gostaste do que viste. Eu acho que me achas giro.

- Sim, és.

Eu sorri enquanto entravamos no restaurante que era típico de estarem a beira da estrada, com serviço self-service.

Sentamo-nos numa mesa e ela olhou para mim.

- Eu não estou a dizer que és giro. Estou a dizer que és giro... como um cachorrinho.

Eu voltei a sorrir lembrando-me da lista dela.

- Tu és gira, tipo bem boa. - Disse sorrindo.

Ela revirou os olhos pegando no menu mas então fechou-o e olhou para mim, parecendo furiosa.

- O que raio vocês têm, porque é os homens só querem saber se uma rapariga é bonita e toda boa? Nós temos olhos... então porque é que não param de olhar para o peito...

- Em defesa desses homens, o teu peito é algo que não passa despercebido. - Disse olhando para o peito dela que apesar de pequeno continuava a ser alvo da minha atenção.

Ela bufou e bateu-me no braço com o menu.

- Para de olhar. Eu sei para onde vão os teus pensamentos.

- Não, não sabes e além disso é impossível não olhar agora que falaste nisso.

Ela abriu a boca para resmungar mas o telemóvel dela começou a tocar. Ela olhou para mim irritada e então atendeu.

- Olá Mary. Não... eu... sim... calma - pediu pressionando os dedos na ponte do nariz parecendo cansada. - Importaste de me deixar falar... sim, foi roubada tu tens os documentos no quarto faz isso, e eu não vou voltar.

Desta vez eu conseguia ouvir uma voz do outro lado da linha a gritar com Ella.

- Não, eu não estou de autocarro. Ouvi mais gritos do outro lado da linha o que me fez rir enquanto Ella afastava telemóvel para não ouvir.

- Chama-se Liam, ele ofereceu-me boleia ele esta a fazer o mesmo percurso que eu... sim é... okay... eu vou passar-lhe.

Ela engoliu em seco e passou-me o telemóvel para eu falar.

- Olá - disse sorrindo olhando para ela enquanto me dava um olhar.

- Olá Liam qual é a tua idade?

- 24 anos.

- Ouve bem, tu não fazes ideia do que Ella já passou por isso se a magoares eu vou atrás de ti e arranco-te as joias da família!

E sem dizer nada desligou, eu olhei para ela entregando-lhe o telemóvel.

- Ela parece bastante ser bastante...

- Intensa? - Perguntou rindo.

- Bastante - disse pegando no mapa que tinha na carteira.

Abri o mapa sobre a mesa estávamos perto de Ohio.

- Que achas irmos para Columbus?

- Sim parece-me bem, gostava de ver o capitol e nationwide arena.

- Okay - disse sorrindo.

Guardei o mapa e observei-a enquanto ela se levantava e pegava na sua comida no balcão.

Para uma rapariga tão baixinha fazia-se notar com aquele andar vi vários homens a olhar para ela e um deles foi ter com ela e meteu conversa.

Respirei fundo e deixei a estar... não é como se fosse minha namorada ou amiga ou irmã. Vi-os falar enquanto ela lhe dava um sorriso genuíno coisa que ainda não conseguia arrancar dela. Ouvia dar uma gargalhada e ai foi a gota de água...

Levantei-me e foi ter com ela foi quando a ouvi a falar com ele que paralisei.

- Desculpa, não estou interessada… estou aqui com o meu namorado.

Espantado passei a mão pelo ombro dela encostando-a ao meu corpo, a empregada olhou para nós a rir. Enquanto o rapaz que era um tipo loiro com corpo de lutador de boxe.

- Então amor, já pediste o almoço?

- Sim, estou ansiosa para irmos para o quarto – disse quase a ronronar.

Eu olhei para ela, espantadíssimo, tossi e vi que o rapaz não estava a acreditar nada.

- Também eu amor. Que achas? Algemas ou chicote?

Ela encolheu-se um pouco e olhou para a empregada que estava com dois sacos na mão para nós, enquanto ela nos olhava de boa aberta.

- Surpreende-me, afinal tenho-me portado tão mal, bem preciso de um bom castigo.

E tão rápido que nem pode protestar pagou e agarrou a minha mão para me levar para fora do restaurante e assim que saímos começamos a rir-nos as gargalhadas agarrados um ao outro.

- O que raio!? O que foi isto?! – Perguntei olhando para ela.

Ela sorriu para mim e olhei em volta.

- Onde deveremos comer agora? – Perguntou-me sorrindo.

...


Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.